DIY Fonte de Gato

A Gata Cake não estava deixando a gente em paz de madrugada, depois que aprendeu a beber água da torneira. Estava nos acordando 3 da manhã para abrir a porta e ela poder entrar para se refrescar.

Glup

Então resolvemos providenciar uma para ela, que evita o desperdício de água e fica mais acessível para os bichinhos. (Quem sabe o bolinha usa também…)

Fomos em várias pet shops, e a fonte mais barata que encontramos custava 150 reais, e era literalmente um balde maior, com um balde menor dentro e um motor de fonte com mangueira para jogar a água para cima.

Tags:

Compartilhar "DIY Fonte de Gato"

Compartilhe: FacebookTwitter

Virei Monitor

Pessoal,

Como vocês já devem saber, acabei virando monitor da disciplina de Métodos Numéricos II, como parte do meu Estágio em Docência do Doutorado.

Estou disponibilizando o material das minhas aulas no seguinte link:

Métodos Numéricos 2

Bons estudos! :smiley:

Tags:

Compartilhar "Virei Monitor"

Compartilhe: FacebookTwitter

Hello World (part 2)

Olá Mundo. Novamente.

Resolvi reviver meu blog. Dessa vez, usando ferramentas novas. Abandonei o Blogspot/Blogger e migrei (ou estou migrando ainda, de forma retroativa) minhas postagens de meus 2 blogs antigos para esse único blog. Está sendo divertido brincar com o Jekyll (Gerador de Páginas Estáticas) e o GitHub. As coisas aqui são menos user-friendly, mas eu me sinto mais a vontade ao criar uma postagem nova de blog.

A customização é muito maior. Estou pensando seriamente em migrar meu outro site para o mesmo sistema. Espero que agora que o blog está mais perto do meu dia a dia, eu consiga fazer atualizações com mais frequência.

Até lá espero ter enxido meu blog de features interessantes e tornar ele realmente meu portfólio e log de coisas interessantes que eu tenha feito eventualmente.

Tags:

Compartilhar "Hello World (part 2)"

Compartilhe: FacebookTwitter

Ludum Dare 38

Oi pessoal! Esse ano participamos novamente do Ludum Dare 38. Primeiramente, um pequeno documentário sobre o Jam:

Dessa vez participamos com uma equipe diferente. Da equipe que participou do LD31, restou apenas o Luan Lucas, o músico/sonoplasta. Além disso, nos reunimos com Tito Marques, o artista, Henrique Araújo, o Jam Host e Daniel Augusto, outro programador. Mais gente participou da Jam indiretamente, como o Joaquim Neto, que teve de se ausentar depois por conta de sua conexão instável, e outras pessoas que estavam lá fazendo outras coisas.

Todos meio que participaram da Jam como Game Designers, dando sugestões de features para o jogo. Um documento de post-mortem do projeto pode ser encontrado no link abaixo:

https://ldjam.com/events/ludum-dare/38/le-petit-shooter/yet-another-post-mortem-le-petit-shooter

Então, como já deu para ver, o jogo se chama Le Petit Shooter, e a primeira inspiração que veio logo de cara ao saber do tema Small World, foi a obra de Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe. Mas a mesma ideia foi combinada com outra ideia anterior, de criar um shooter em um pequeno planeta. A combinação exótica realmente chamou a atenção de todos do grupo, e foi decidido que esse seria o nosso jogo.

A medida que o desenvolvimento foi acontecendo, e o jogo sendo testado por dois amigos que estavam “sobrando” na jam, por não terem ido para o evento, acabou convergindo cada vez mais para o gênero de jogo de luta. Um contra um, e com várias movimentações estilo Towerfall e Smash Bros. Aos poucos, inspirações de outros jogos foram sendo introduzidos, como Worms e Lethal League.

Apesar de ter trabalhado principalmente com a programação, tive de improvisar assets placeholders enquanto nosso artista não providenciava os assets finais.

Começamos implementando um script para mudar o sistema de coordenadas cartesiano para uma coordenada polar. Esse script é usado tanto pelo jogador como pelos projéteis para posicioná-los no cenário.

Um novo script de player controller foi criado para controlar todas as ações de um personagem jogável nesse novo sistema de coordenadas. A movimentação do personagem acontece ao longo de uma distância para o planeta (raio) e um ângulo de rotação em torno da superfície. Sua velocidade angular é alterada pelo raio atual, para manter a velocidade escalar constante. Toda a “física” teve de ser repensada e até hoje ela continua apresentando certos problemas. Muitos bugs de colisão e detecção de interseção continuam acontecendo pela forma que os colliders são utilizados. Esperamos conseguir corrigir isso futuramente, após a jam.

As telas de menus estão todas utilizando elementos default da unity. Isso foi um erro, pois muitos jogadores do Ludum Dare estão reclamando da interface ruim. Para a próxima jam, esperamos ter elementos placeholder melhores para a interface, caso não dê tempo da interface final ficar pronta.

Tirando os problemas, tivemos algumas decisões que deixaram o jogo mais divertido. Eu vi que a lógica de controle dos personagens estava bem genérica, e adicionei 2 jogadores adicionais como uma opção secreta. Ficou tão legal que é capaz de virar uma feature canon do jogo. Outra feature que foi muito mais fácil de implementar do que eu achei que seria foi o Dash. O efeito do dash é equivalente a interceptar a lógica de movimentação do personagem, trocando a velocidade horizontal por um valor constante ao longo de um tempo.

E como em toda jam, eu aprendo muitas coisas novas. A coisa mais interessante que aprendi nessa jam foi como usar as animações da Unity. Nas jams e projetos anteriores, todas as animações que eu fazia eram através de scripts. Isso fazia com que as animações ficassem muito robóticas e demoradas de produzir. Com essa nova feature já consigo imaginar a produção de um jogo que eu havia planejado anteriormente, mas não tinha conhecimento o suficiente para a execução.

Por fim, o resultado vocês podem conferir no link abaixo:

https://ldjam.com/events/ludum-dare/38/le-petit-shooter

Infelizmente dessa vez não registrei fotos durante o evento, pois estávamos tão empolgados com o desenvolvimento do jogo que esquecemos de registrar e documentar esses momentos. Mas alguns momentos engraçados estão escritos no post mortem de qualquer modo, e o relato de texto tem potencial de ser muito mais interessante do que a realidade por causa das possíveis interpretações do leitor. Hahaha.

É isso ai, pessoal! Estamos animados para continuar o desenvolvimento do joguinho.

[Edit: editei para colocar o link do post-mortem, feito no dia 04/05/2017.]

Tags:

Compartilhar "Ludum Dare 38"

Compartilhe: FacebookTwitter

DIY - Case de LEGO para Raspberry PI

Já tem um tempo que não faço algo para a minha Raspberry PI. Então resolvi dar um upgrade na case dela.

A primeira case da minha raspi era feita de LEGO também, que construi por volta de 14 de abril de 2015.

Old but gold

Apesar de funcional, ela deixava a placa meio solta do lado de dentro (balançava e eu tinha medo de danificar alguma coisa). Ai pouco tempo depois eu encomendei uma case de acrílico com um cooler.

Tempo vai, tempo vem, derrubam a minha raspi no chão durante um evento de videogames aqui em casa. Eu encomendo outras cases relativamente baratas, mas nunca encontro uma que seja realmente boa. As novas cases todas apresentaram algum problema com pouco tempo de uso. Ai um belo dia que eu estava frustrado e precisando fazer alguma coisa, resolvi que seria o dia ideal para construir uma case nova de LEGO.

Infelizmente, não tinha peças suficientes para criar uma case nova do zero, então tive de desmontar minha pequena case anterior. Pelo menos tenho registro de foto dela, então seria relativamente fácil reconstruí-la, caso fosse preciso.

Rest in pieces

Além da case, eu queria fazer um negócio mais sofisticado. Então adquiri um hub usb baratinho, e fiz uma pequena gambiarra.

Cortei a alimentação que vinha da entrada da USB, e liguei em outro cabo USB (que só possui os 2 fios de alimentação da Raspberry). Esse outro fio que eu tinha também possuia um botão de liga/desliga. Não precisei sequer fazer remendo no fio pois toda a conexão ficou imbutida na caixinha do botão.

Com tudo fechado, ficou bonitinho e funcional. Agora o cabo possui uma passagem de energia para alimentar os periféricos ligados no HUB, e um cabo de dados que pode ser ligado diretamente na USB da raspberry. Dessa forma, evita-se problemas de energia por aumentar demais a carga na plaquinha. Agora fica tudo por conta do carregador. Eu vi em alguns lugares recomendando uma amperagem acima de 2, mas com um carregador de 1A de um Samsung Galaxy antigo, estou conseguindo um resultado melhor que o esperado.

Depois de tudo ligado, foi só construir uma caixa em torno da parafernalha toda. Não faço um esquema de como construi porque teria que desmontar tudo, já que fui fazendo no olhômetro. Recomendo fazer o mesmo, pois o importante é que tenha peças de lego envolvendo completamente a placa e os circuitos, então não há uma única forma de construir isso. Talvez com as peças corretas, eu pudesse ter feito de maneira muito mais simples. Mas tive que me virar com o que eu tinha.

Aproveitei as peças de dobra antigas para criar uma tampa de fácil acesso. Usei pecinhas que possuem um furo no meio (peças pretas na tampa) para fechar a tampa e fazer com que ela não se abra tão fácil. Desse modo ela se encaixa em 2 pequenos pontos no lado oposto da dobradiça, e todo o resto é formado por peças lisas (peças de cor cinza).

Foi muito importante deixar um espaço para acessar as portas USB e o botão de liga/desliga. Deu trabalho colocar essas coisas de modo que fossem acessíveis, mas não ficassem sambando dentro da caixa. Usei o formato dos componentes para envolver o máximo possível de suas estruturas em peças pequenas, e aumentar o atrito para que eles não saiam do lugar. Para retirar essas peças seria necessário desmontar a caixa.

Outro ponto positivo de LEGO é que ele é incrivelmente compatível com quase tudo. Até o cooler da case antiga eu consegui reaproveitar. Foi só parafusar os “bracinhos” de lego nos buracos dos parafusos, e agora é possível encaixar o cooler na estrutura.

E o resultado é esse. É possivel ver ao fundo a “bagunça”. Mas comparado ao que estava antes de começar a montagem, estava muito mais bagunçado. Tinha mais de uma década que eu não mexia nos LEGO, e tive que separar tudo por cor para conseguir acessar as peças que eu precisava. Acabei encontrando uma sacola enorme de coisas que não eram lego que estavam soltas no meio do lego. ¯\_(ツ)\_/¯ Emoji

Então é isso.

Tags:

Compartilhar "DIY - Case de LEGO para Raspberry PI"

Compartilhe: FacebookTwitter